A música e a criança




Musicalizar é a pré-escola da música. E além de transformar as crianças em indivíduos que usam os sons musicais, fazem, apreciam e criam música, ainda auxilia no desenvolvimento e aperfeiçoamento da Socialização, Alfabetização, Inteligência,Expressividade,Coordenação motora, Percepção sonora, espacial, Raciocínio lógico e matemático, e uma infinidade de outros aspectos físicos e psicológicos.

BRINCADEIRAS COM OS INSTRUMENTOS MUSICAIS.

 Primeiro, uma criança de cada vez coloca uma " venda" nos olhos e somente através dos ouvidos (audição), tem que dizer o nome do instrumento que está sendo tocado.
Depois, divide-se os instrumentos em 2 grupos ( metais e plástico) e monta-se duas " Lojas de instrumentos". Uma professora " vende" instrumentos de metal e outra professora " vende" instrumentos de plástico . Finalmente, quando todos já tiverem escolhido o instrumento , tocamos e cantamos a música: O sapo não lava o pé.


* Peça aos alunos que tragam um tipo de música de que gostam: livros, textos de música, poesias, trava-línguas, CDs etc. Depois solicite aos alunos que cantem e desenhem o que ouviram.

* Das músicas pesquisadas pelos alunos, peça-lhes que escolham uma, a que mais agrade a todos. Organize com as crianças uma bandinha, para que cada um toque o instrumento confeccionado.

* Desperte o sentido de atenção à melodia, ao tipo de letra, aos instrumentos musicais utilizados, à voz etc.

* Pesquise vários tipos de instrumentos musicais que sejam do cotidiano dos alunos. Eles mesmos podem escolher quais querem pesquisar. Em seguida, os alunos farão os desenhos e o texto da pesquisa no computador ou em folhas de sulfite. Isso levará algumas aulas.

* O professor deverá fazer com que o aluno crie novos instrumentos, dos quais possa extrair diversos tipos de sons, utilizando materiais de sucata.

* Os alunos deverão colecionar diversos materiais, que utilizarão para produzir instrumentos.

* Por meio de recortes, montagem, colagem das peças durante as aulas, cada grupo poderá desenvolver os instrumentos, como, por exemplo, de percussão, de sopro, com cordas etc. Dependendo da maturidade da classe, desenvolver a classificação dos tipos de instrumentos.


* Das músicas pesquisadas pelos alunos, peça-lhes que escolham uma, a que mais agrade a todos. Organize com as crianças uma bandinha, para que cada um toque o instrumento confeccionado.

* Observar se a experiência atingiu os objetivos propostos e se os alunos conseguiram desenvolver instrumentos e ritmos diferentes.

* Avaliar o desempenho global do aluno continuamente, a partir de observações, das atividades nas aulas, da participação na construção de novos conceitos, levantamento de hipóteses e manipulação dos materiais.

* Observação das atitudes de responsabilidade, cooperação e organização.

INTEGRAÇÃO:
História: pesquisar músicas folclóricas que as crianças adoram e montar em quadrinhos.
Geografia: diferenças musicais de cada região do Brasil.
Português: escrita de músicas e interpretação.
Artes e teatro: fazer uma apresentação da bandinha.
Informática: reprodução da pesquisa sobre os instrumentos musicais e da ilustração. Educação física: integrar a música com as danças típicas.
Exposição: Faça uma exposição na classe ou na escola com as pesquisas e os instrumentos criados pelos alunos.

Construção de uma bandinha com sucata


CHOCALHO
Ele pode ser feito com embalagem de iogurte, embalagem de rolo de fax ou lata de refrigerante. No interior, podem-se colocar pedrinhas, cereais ou sementes. Sua execução é simples: basta colocar as pedrinhas em uma das partes, tampar com a outra e fechar com fita crepe. O som variará muito de acordo com os materiais, e isso poderá ser experimentado pelas crianças. Um grupo de chocalhos iguais, cinco a seis por exemplo, dá um efeito muito bonito. Pode-se trabalhar com dois grupos, cada qual com chocalhos de materiais diferentes; o efeito será interessante.

TAMBOR
É um tubo oco que pode ser feito de vários materiais e tamanhos, recoberto por uma lâmina de borracha, de plástico, de tecido tipo lona ou, até, de papelão (cada material com características próprias de durabilidade). A lâmina é presa em uma das extremidades do tubo com elástico ou sisal. Os sons emitidos pelo tambor também variarão muito conforme os materiais utilizados.

CUÍCA
Mais simples, impossível! Basta cortar um pedaço de sizal ou de barbante com cerca de um metro de comprimento e dar um nó em uma das pontas. Furar uma embalagem de iogurte e passar o fio através dela. O som é emitido fazendo a embalagem vibrar à medida que o fio é puxado.

RECO-RECO DE TAMPINHAS
Em uma madeira de 30 x 20 cm, pregar duas carreiras de tampinhas metálicas de refrigerante. As tampinhas devem ser pregadas sempre aos pares. Elas também podem ser achatadas antes de serem pregadas, o que dará um som diferente ao do reco-reco. Pode-se tocar chacoalhando a tábua ou usando uma varinha (que pode ser um lápis).

CHOCALHO DE TAMPINHAS
Primeiramente amassam-se cerca de dez a doze tampinhas, furando-as. Depois, batendo com um prego bem no centro, enfiam-se as tampinhas em um pedaço de arame grosso de cerca de 30 cm de comprimento. Unem-se as pontas do arame, sobrepondo-as cerca de 5 cm, prendendo com fita crepe.

APITO DE GARRAFAS
Ele é conseguido com apenas uma garrafa plástica, com água até a metade. Um grupo de crianças “tocando” este instrumento, ao mesmo tempo, dá um efeito interessante.

XILOFONE DE GARRAFAS
É feito de oito garrafas de vidro cheias de quantidades variadas de água, o que dará um som diferente a cada uma delas. As garrafas são presas com um barbante a um cabo de vassoura, que deverá ser fixado em um lugar, permitindo que as garrafas fiquem livres para serem manuseadas. Elas são tocadas com um bastão de madeira, e a nota mais grave será obtida através do toque na garrafa que contém menos água. A quantidade de água é que determinará cada uma das notas da escala, sendo que ela inicia com uma garrafa vazia, que corresponde à nota mais aguda (dó). Para fazer a “afinação”, será necessário o auxílio de um adulto, com experiência ou acuidade auditiva, que reconheça as notas da escala musical nas garrafas com água.
A bandinha rítmica é uma das mais ricas formas de expressão musical. Além dos valores estéticos a ela atribuídos, concorre também para o desenvolvimento do autodomínio e da auto-realização, por permitir que a própria criança construa seus instrumentos. São várias as suas finalidades na escola:
• despertar e desenvolver o senso rítmico;
• desenvolver a acuidade auditiva;

• satisfazer a necessidade de atividade muscular aplicada a um fim construtivo;

• desenvolver o controle motor;

• desenvolver a autodisciplina e a atenção;

• estimular a confiança em si mesmo e o autodomínio;
• estimular a expressão espontânea e as fantasias inconscientes;

• desenvolver hábitos sociais (respeitar a vez do colega, confraternização e sociabilização).

Essa atividade tem de ser introduzida aos poucos. A criança deve explorar e conhecer todas as possibilidades de cada instrumento separadamente, para depois ir juntando, numa mesma música, dois ou mais instrumentos, até ser capaz de combiná-los todos.
Jogo do Eco
Formação: duplas
Um é espelho e o outro imagem. A imagem realiza movimentos e sons percutindo com o próprio corpo enquanto o espelho tem que imitá-lo em forma de eco.

Jogo da pulsação (compassos)
Formação: roda
Todos de mãos dadas obedecendo o compasso sugerido pelo orientador, a roda gira em um sentido pré determinado. Um grande pulo no tempo forte e passos firmes nos tempos seguintes. Ex: 1 (pulo) 234 (passos) Podendo acompanhar uma canção ou cantar.





Postar um comentário

.